• Lucas C. L. Falcão

O sonômetro e as curvas de ponderação

Atualizado: 14 de Out de 2019

Apesar de ser um equipamento muito popular entre os que trabalham com áudio e acústica, o sonômetro - mais popularmente conhecido como decibelímetro - é um equipamento que por mais intuitivo que seja acaba criando algumas dúvidas sobre as siglas que são usadas. Afinal de contas, não são poucas. Hoje vamos falar um pouco sobre as curvas de ponderação - aquelas letras que geralmente aparecem depois das medições como A, C ou Z.


O que são curvas de ponderação?

Curvas de ponderação são nada mais nada menos que filtros. Isso faz com que as frequências recebam pesos diferentes na hora de fazer as medições, ou seja, algumas frequências tem seu nível de pressão sonora reduzido enquanto que outras tem o seu nível mantido.

A razão por trás dessa necessidade de atribuir pesos diferentes à diferentes frequências é devido à nossa audição. Seres humanos escutam as frequências médias melhor do que as frequências altas e baixas, o que faz com que uma leitura da média do nível de pressão sonora em todas as frequências não tenha a verossimilhança que gostaríamos que tivesse com o nível percebido por nós. Assim surge a necessidade de simular a curva de resposta do ouvido humano durante as medições.


Curva de ponderação A

Lembra que eu te falei que somos mais sensíveis nas frequências médias? A curva de ponderação A é a curva do sonômetro que tenta imitar justamente esse comportamento do ouvido humano colocando um peso maior nas frequências médias e pesos menores nas frequências mais baixas e altas. Essa é a curva mais utilizada na maior parte das medições de nível de pressão sonora, por isso que é tão comum observar valores de nível de pressão sonora terminados em dBA na maioria dos laudos técnicos e manuais de produtos de áudio e acústica.


Essa é também a curva utilizada na grande maioria das medições que dizem respeito ao ruído ambiental nas normas NBR 10151 e NBR 10152, ou seja, guarde bem o que é e para que serve a curva de ponderação A, você ainda vai vê-la e vai usá-la bastante por aí.


Curva de ponderação C

Eu já disse mil vezes e vou continuar dizendo: o ouvido é uma coisa incrível! Quando o nível de pressão sonora de um som atinge valores tão altos quanto 100 dB, nosso ouvido muda um pouco a sua resposta, ficando um pouco mais sensível às frequências mais baixas e às frequências mais altas do que o normal. Para conseguir simular esse efeito no sonômetro, foi criada a curva de ponderação C, que é nada mais nada menos que a curva de ponderação A com uma faixa de sensibilidade um pouco maior, ou seja, contemplando um pouco mais das frequências mais baixas e das frequências mais altas.


Essa curva é bem menos usada que a curva de ponderação A, mas tem algumas aplicações interessantes. Além de ser utilizada quando os níveis ficam mais altos que 100 dB, pode também ser interessante usá-la em ambientes com muito ruído de baixa frequência como boates onde um sistema de sonorização com subwoofers pode criar bastante ruído de baixa frequência e incomodar os vizinhos.


Figura 1: Curvas de ponderação do sonômetro [1]

Curva de ponderação Z ou plana

Essa é a última das curvas de ponderação que podem ser encontradas em um sonômetro. Ao contrário das curvas A e C, a curva Z é pouco usada para avaliação de ruído ambiental, sendo mais usada para medir resposta de equipamentos de áudio ou, em alguns casos muito específicos, sensibilidade. A curva de ponderação Z tem uma resposta totalmente plana, o que significa que ela atribui pesos iguais para todas as frequências. E por ser totalmente plana, ela geralmente apresenta níveis maiores que aqueles medidos utilizando as curvas A e C, então não se surpreenda se as medições apresentarem diferença de valores ao mudar a curva de ponderação.


Com esse artigo acho que conseguimos tirar algumas dúvidas que você pode ter gerado ao longo do tempo trabalhando com áudio ou acústica. Espero também que com essa informação você consiga ter um breve entendimento da aplicação de cada uma dessas curvas e qual delas utilizar em diferentes situações. É bastante importante que você tenha em mente que para 95% das aplicações a curva A será a que mais se encaixa na sua necessidade já que é a mais usada para medições de ruído.


Espero que tenhamos conseguido passar um pouco mais sobre acústica para vocês e que continuem lendo nossos posts.


Gostou do que leu? Então segue a gente no Instagram e no Facebook e fique por dentro de mais novidades e dicas sobre áudio e acústica. Não se esqueça também de se inscrever na nossa newsletter para não perder os próximos artigos. Se você quiser ter acesso aos nossos materiais exclusivos e gratuitos para download, basta clicar aqui!


Referências:

[1] Long, Marshall. Architectural acoustics. Elsevier, 2005.

428 visualizações
 

©2018 by Concepcao Acústica

  • YouTube - círculo cinza
  • Facebook - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle